A série da AMC dá a conhecer “A Linha Invisível” que marcou Espanha

Um momento marcante da história espanhola está em destaque no AMC com a série “A Linha Invisível” a mais recente obra do país vizinho que nos relata um períodos mais díficeis da sua história moderna.

A série conta com seis episódios desenvolvidos por Michel Gaztambide (“Gigantes”) e Alejandro Hernández (“Caníbal”), ao longos dos quais relata os momentos de tensão vividos pela população espanhola após o ultrapassar da “linha invisível” por parte da ETA.

A 7 de junho de 1968, Txabi Etxebarrieta, o líder do grupo que avassalou o país irmão, atravessou a chamada “linha invisível” ao executar José Antonio Pardines, um guarda civil galego. Este foi um momento único, que marcou a vida de toda a Espanha e a do próprio Etxebarrieta, que acabou executado pela guardia civil horas após o incidente.

A Euskadi Ta Askatasuna (ETA) foi um grupo que que visava promover a cultura basca, no entanto ao longo dos anos evoluiu até se tornar num grupo paramilitar que utilizava a violência e o medo para de forma a conquistar a independência do País Basco.

Pardines tornou-se um símbolo, ao ser a primeira de 853 vítimas da organização. Este que poderia ser o fim violento, de um conflito pacífico que durava há gerações, revelou-se ser apenas o princípio de uma onda de violência que manchou o país durante as décadas que se seguiram.

Contudo, após várias décadas de negociações e conflito, a ETA acabou por anunciar a sua dissolução em meados de 2018, marcando o fim da tensão. Esta nova série dá a conhecer as origens dos anos de violência, as vidas que se perderam ao longo do caminho e o sofrimento vivido por aqueles deixados para trás.

A minissérie conta com um elenco composto por Àlex Monner (“Vivir sin permiso”), Antonio de la Torre (“Abracadabra”), Anna Castillo (“Estoy vivo”), Enric Auquer (“Vida perfecta”), Patrick Criado (“La Casa de Papel”), Joan Amargós (“Polònia”) e Xóan Fórneas (“Acacias 38”).

VÊ MAIS NO BLOG: “BOTTOMLESS BRUNCH AT COLMAN’S”: REUNE OS INGREDIENTES VAMOS FAZER UM BLOODY MARY


PARTILHAR esta página: